Porto de Jaconé fica mais longe da realidade MPF quer impedir remoção...

Porto de Jaconé fica mais longe da realidade MPF quer impedir remoção de rochas Beachrocks

Compartilhar

O sonho de termos um porto para gerar empregos para cidade de Maricá, está cada dia mais distante. Para proteger uma formação rochosa de valor histórico e relevância internacional, o Ministério Público Federal (MPF) rebateu o Instituto Estadual do Ambiente (Inea), em processo para impedir intervenções de engenharia ou arquitetônicas nos Beachrocks de Jaconé, arrecifes que são patrimônio cultural e arqueológico na costa de Maricá (RJ). Em liminar, a 3ª Vara Federal de Niterói vedou a União, o Estado do Rio de Janeiro e o Município de Maricá de suprimirem, destruírem e descaracterizarem essas rochas, e atendeu ao pedido pelo tombamento provisório daquela área. As rochas foram reportadas pelo naturalista Charles Darwin em viagem em 1832.

O Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), manteve a liminar e julgará em breve o recurso do Estado e Inea, que alegam que não cabe ao Judiciário controlar as ações potencialmente poluidoras, apurar viabilidade ambiental e obediência às normas de licenciamento. Está em curso no Inea, o licenciamento ambiental do Terminal da Ponta Negra (estaleiro e terminais de cargas sólidas e granéis líquidos), enquanto o Ibama licencia o gasoduto da Rota 3 da Petrobras. Ambos foram projetados para aquela área.

Na ação, narra-se que o processo de tombamento estadual, foi arquivado em 2015 por ordem do chefe de gabinete da Secretaria da Casa Civil, sem ser submetido ao governador, como exige a lei. Um pedido de tombamento tinha partido do Museu Nacional, Instituto de Geociências da UFRJ e Universidade Federal Fluminense.

“O Estado do Rio e o Inea alegam que não se poderia impedir uma atividade econômica essencial ao desenvolvimento do Estado, quando as formações rochosas já estariam inteiramente protegidas pelo projeto”, afirmou a procuradora regional da República Maria Helena de Paula, em nome do MPF na 2ª Região (RJ/ES). “Nenhum amparo merece essa pretensão. Estão sendo realizadas, na verdade, manobras jurídicas e políticas a fim de contornar as exigências da legislação ambiental, favorecendo a construção do empreendimento.”

Na apuração que deu origem à ação, professores especialistas da UFRJ destacaram graves discrepâncias entre os estudos do empreendedor, a realidade dos beachrocks e as informações prestadas ao Inea e relataram que o mapa apresentado pelo empreendedor está equivocado, com falsas informações dadas ao instituto no processo de licenciamento ambiental, o que induziu à sua aprovação com a afirmativa de que o patrimônio geológico não seria colocado em risco.

Beachrocks – Conhecidos como “rochas de praia”, “arenitos de praia” ou “arrecifes”, os Beachrocks são uma formação rochosa que aflora à beira-mar com o recuo das marés e fica mais nítida na maré baixa. Essas raras formações são remanescentes de praias do passado, registrando a variação das marés ao passar dos séculos e guardando a memória pré-histórica da ocupação humana.